terça-feira, 16 de setembro de 2008

SEGREDAR














Fico calada…
…………e deixo que as palavras se refugiem no silêncio….

Um silêncio que hesito em interromper…
Por estar cheio de sonhos e desejos….
Que brincam com a silhueta da luz….

Sinto-te perto….
……sinto o teu coração a bater apressado….
E, recordo o que, um dia o Vento me disse….
Em palavras tão simples como as que te segredo




(Foto cedida pela Collybry - obrigada )

(Textos protegidos pelo IGAC)

6 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Sempre a presença da natureza em seus poemas, neste o vento. Achei lindo.
São 3 horas da manhã. Mas como as coisas se acalmaram, fiz um post sobre um filme que todo mundo no mundo já viu e sempre vê de novo. Tirei aquele monte de flores e só deixei as do João. Esta postagem dá para ser bem apreciada.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Só Eu disse...

Olá Marta
Gosto de te "ver" mais assim!
Quando brincas com a silhueta da luz é bom sentires-me por perto. Eu estou sempre aqui +ara te falar.
Beijinhos

tibeu disse...

Adorei e gostei deste teu texto, a
Collybry tem trabalhos lindos vindo do coração. bj para as duas

Sol da meia noite disse...

O silêncio é o véu que envolve a dança das palavras...

Beijinho *
:-)

Alexandre disse...

O vento e o silêncio conhecem todas as nossa fragilidades e todos os nossos segredos - quase que posso dizer que às vezes só neles confio...

cõllybry disse...

Olá Marta...Sabes que estava a brincar?

Só no silêncio se revela o verdadero sentimento...

Beijito