sábado, 10 de junho de 2017

O REGRESSO - PARTE V


Mas, pensando bem, Leandro resolveu visitar Damião Centurião, mais conhecido como " Max Perdido" no mundo do jogo e droga, no seu bar favorito.

De " Perdido", o Damião não tinha nada; era astuto e esquivo. Por vezes, dava umas dicas valiosas, mas sem se comprometer.

" Sim, conheço o " Bicudo" ". confirmou e devolveu a nota ao Inspector. " Emprestei-lhe esses EUR 1500,00, mas a dívida já está saldada. Pelo irmão." acrescentou.

" O irmão?" repetiu Leandro e o " Perdido" sorriu, continuando:

" Sim, um rapaz dos seus 20 e poucos anos. Pagou e arrastou o " Bicudo" daqui para fora... Mas qual é o seu interesse nisto tudo, Inspector? Não é que não goste da sua companhia, mas.... " perguntou " Max Perdido", deixando a frase em suspenso.

" A companhia de um Inspector não é bom para o negócio." completou mentalmente Leandro e em voz alta, disse:

" Temos fortes razões para pensar que estão mortos. Estamos a tentar descobrir o que se passou e como encontramos a nota, seguimos a pista." e observou-o atentamente, mas o " Perdido" devolveu-lhe o olhar calmamente.

" Não, Inspector. Tenho outro tipo de métodos para reaver o meu dinheiro." informou secamente Damião, levantando-se num sinal de que a entrevista tinha terminado.

Leandro levantou-se também e despediu-se. No momento em que o segurança lhe abriu a porta, Damião falou:

" Talvez seja boa ideia falar com o Bando do Cruz. O Inspector conhece bem um dos membros."

Leandro voltou-se para o encarar, mas o " Perdido" já tinha saído da sala.

CONTINUA

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Geralmente - e expressas essa situação - os inspectores deste nível têm também que "conviver" com elementos dos bandos e dos gangues... faz parte da profissão, e até facilita às vezes a troca de informações ou o conhecimento dos locais e a melhor "integração" no sub-mundo que é o crime...