sexta-feira, 2 de junho de 2017

O REGRESSO - PARTE II


" Também é bom estar de regresso!" concordou Leandro " Estive a ler o relatório, Bernardes. Acha mesmo que um dos corpos é do tal Bicudo? O que sabemos sobre ele?"

" Pouca coisa! Pequenos delitos! Temos quase a certeza de que a casa é utilizada como armazém; mas o que aconteceu lá verdadeiramente, para já... está tudo em aberto." declarou o Bernardes.

" E a " família"? " perguntou o inspector, mas Bernardes abanou a cabeça e disse que o Torcato voltou a falar com eles, mas apenas confirmaram a história que já tinham contado.

" Sabemos quem é a família do " Bicudo" e pedimos para virem até cá. Devem estar a chegar; o inspector quer falar com eles?" questionou.

" Gostava de ter mais pormenores, mas com os corpos quase em decomposição, o médico legista terá que fazer mais testes." murmurou Leandro.

Tavares bateu à porta e sem esperar por resposta, entrou, anunciando a chegada da família do " Bicudo".

Os pais do "Bicudo" eram pessoas discretas e Leandro, em breve ficou a saber que tinham uma pequena empresa de pavimentos e derivados e que planeavam expandir o negócio, candidatando-se aos fundos de Portugal 2020.

O " calcanhar de Alquiles" era realmente aquele filho que tinha descoberto as drogas, que usava para " explorar o Universo", sem bem que não percebessem bem o que ele queria dizer.

" Têm a certeza de que é o carro dele? Têm alguma ideia onde ele pode estar? É que também não sabemos onde está o Rodrigo, o irmão." acrescentou o Pai.

" Já telefonamos a todos os amigos, mas nada. Íamos avisar a Policia, mas entretanto, recebemos a vossa chamada." explicou a Mãe.

Leandro trocou um olhar com Bernardes e sentou-se melhor na cadeira.

CONTINUA


1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Regressar onde já nos sentimos bem é sempre bom, e tu consegues retratar isso muito bem neste texto, através da descrição das atitudes e dos diálogos dos intervenientes.