quarta-feira, 31 de maio de 2017

O REGRESSO


Leandro sentia-se velho...

Ou convenceu-se de que era, afinal, mortal.... 

Nestes dois meses que esteve ausente do Departamento, além da ida diária ao fisioterapeuta, tinha organizado a biblioteca, comprado novos livros e num passeio pelos arredores da cidade, tinha encontrado uma casa com um pequeno jardim.

Talvez pudesse arrendar o apartamento da cidade quando se reformasse e ir viver para ali naquela pacata vila, longe do transito, do barulho.

Mas, para já, tinha que estudar o relatório do Sargento Bernardes. Que história macabra era aquela de terem encontrado uma mão no Jardim e mais tarde, dois corpos quase em decomposição numa casa abandonada?

E porque razão tinha sido o Comandante a tomar conta do caso e não o Meireles?

Não que se surpreendesse com o facto; às vezes, o Meireles agia como um imbecil... Mas mesmo assim...

Bateu no vidro e Bernardes entrou de imediato.

" Oh, Ch... Inspector, que bom estar de volta!" confessou o sargento.


CONTINUA

1 comentário:

lua singular disse...

Olá Marta, vou seguir o seu conto, já gostei muito da primeira parte. Amanhã volto na segunda e assim até terminar
Beijos
Lua Singular