domingo, 28 de maio de 2017

ESTRANHO - O FIM


Avançaram com cuidado; em alguns locais, o telhado tinha caído.

Encontraram velhas seringas, colheres enferrujadas, garrafas vazias e numa das salas das traseiras, meia escondida por uma escadaria podre, viram um outro corpo.

Com o lenço a tapar o nariz e a boca, Bernardes aproximou-se com cuidado para não contaminar o local.

" Este está irreconhecível. A cara está feita num bolo. Assinala o local e diz a equipa que também tem que o processar." ordenou ao Torcato que acenou que entendia.

Quando voltaram para o exterior, o médico legista já estava a examinar o outro corpo e o sargento perguntou-lhe:

" Acha que a mão que encontramos é dele? " e o médico riu-se:

" Sabe muito bem que ainda não lhe posso responder. Mas creio ter elementos ainda hoje..." acrescentou.

" Pois, há outro corpo dentro da casa. O Torcato explica-lhe tudo. Eu vou falar com o comandante." anunciou o Bernardes.

" ... tenho mesmo que esperar pelas autópsias e resultados da análise da cena da crime, mas tudo leva a crer que a mão encontrada no jardim pertence ao corpo que estava na mala do carro. Sei que há muitos pontos de interrogação, mas achei melhor informá-lo." concluiu o Bernardes.

O Meireles, que estava presente, agitou-se na cadeira e repetiu irónico: " Pois, tudo leva a crer... "

" Bom trabalho, Bernardes." atalhou o Comandante e, sorrindo, acrescentou: " O Inspector Leandro regressa na segunda-feira. Explique-lhe tudo e mantenham-me informado. Pode sair."

Bernardes nem queria acreditar. Leandro de regresso! A vida estava de volta ao normal!

Isto merecia uma bebida; ele pagaria a primeira rodada. 



FIM 


 

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Pois bem eis o epílogo de uma história de suspense, bem contada, bem descrita, com os tempos e as deixas certas, uma história que poderia entrar em qualquer antologia de contos policiais, de bons contos policiais. Parabéns. Se juntares todas as histórias já terás volume para um livro... e já mereces editar...