segunda-feira, 22 de maio de 2017

ESTRANHO - PARTE IV


Satisfeito, o Bernardes fez o relatório preliminar e no fim do turno, saiu sem informar o Meireles.

No dia seguinte, o médico legista apenas confirmou que estava à espera dos resultados das impressões digitais e do teste de ADN.

Sim, era a mão de um rapaz jovem; não teria mais de vinte, vinte e dois anos. Os dedos tinham sido partidos com um objecto de madeira, talvez um bastão e sim, o corte tinha sido feito post-mortem.

Não, não podia adiantar mais; o Bernardes já sabia que ele não gostava de especular.

" Bolas! Espero que o Torcato e o Tavares tenham descoberto qualquer coisa; caso contrário, terei que arquivar o caso..." resmungou para consigo o Sargento.

Mas o Torcato e o Tavares tinham algumas coisas para contar. A "família" não os tinha acolhido calorosamente, mas depois de assegurarem não serem dos Narcóticos, lá tinham confessado que o " Bicudo" não aparecia no local há alguns dias.

" E quem é o Bicudo?" perguntou o Torcato e o que dava pelo nome de " Bigodes" explicou que o " Bicudo" era um "gajo" com dinheiro que, de vez em quando, lhes pagava a " festa".

" Não sabem o nome dele?" inquiriu o Bernardes e o Tavares riu-se, acenando-lhe um papel.

" Não, mas lembram-se do carro e da matrícula!" exclamou e, vendo o olhar carregado do Sargento, acrescentou " Vou tentar descobrir detalhes."

CONTINUA

2 comentários:

Sofá Amarelo disse...

O policial no seu auge, tal e qual como qualquer CSI, estes escritos por dezenas de argumentistas e guionistas pagos a peso de ouro, quando, afinal, pode haver uma pessoa a fazê-lo desta maneira e com esta qualidade...

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, é um caso bicudo que o bicudo pode ser a chave da descoberta.
Continuação de boa semana,
AG