terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A CARTA


" Caro Pai Natal,

O que quero para o Natal?

Gostava que a janela do meu quarto abrisse realmente para o mar.  

Que ele entrasse no meu quarto e me confessasse as suas paixões.  

Que me levasse na crista das ondas nos dias do Sol.  

Que me explicasse o porquê da fúria nos dias de Tempestade.

Que não fosse apenas a pintura que faço nas paredes para esconder as manchas de humidade.

A história que escrevo ao desenhar cuidadosamente a prancha de surf e as nuvens.

O sorriso que só eu vejo quando paro de pintar e contemplo a minha obra.

Porque, apesar da janela que não fecha bem, das manchas de humidade, o meu quarto, Pai Natal, é lindo.

Fi-lo bonito, tornei-o meu.

Podia pedir-te muita coisa.  Uma casa nova, bonita, maior...

Mas não...  Só queria que a janela abrisse para o mar e ele embalasse o meu sono.


Feliz Natal


4 comentários:

Graça Pires disse...

Uma carta que é um poema maravilhoso, Marta!
Um beijo.

Sofá Amarelo disse...

O desejo mais perfeito... e mais humilde! E que mais se pode desejar para presente de Natal que uma janela debruçada sobre o Mar, esse Mar que é tão imenso como tranquilo ou revolto... tal como nós somos e sentimos cada dia, quando pintamos os desejos embalados na crista das ondas...

elicleide Brito disse...

Que um sonho seja realizado que a carta de mostre se o amor alimente se o desejo coloque nas mão do senho que tudo da certo

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Tão bela esta carta!
Tomara que o seu sonho seja satisfeito!
Beijinhos e FELIZ NATAL!
Ailime