domingo, 15 de maio de 2016

COBARDIA



Hoje, quero esquecer e ser esquecida...

Cobardia? Talvez...

Talvez devesse fazer um discurso, enchendo-o de palavras pomposas e ocas...

Numa mensagem tão vazia como a pessoa que o faz...

Porque a verdade é que estou cansada... 

Um cansaço que não é físico, que não consigo explicar...

Porque sinto que estou a lutar contra a maré... Que não vou conseguir ficar à tona...

E tudo porque as pessoas se recusam a admitir novas ideias e defendem as antigas

como se fosse uma questão de vida ou morte...

Quem é mais cobarde?



2 comentários:

Graça Pires disse...

Não há cobardia quando dizemos o que sentimos...
Beijo, Marta.

Sofá Amarelo disse...

A cobardia é relativa e subjectiva. Infelizmente, os verdadeiros cobardes são aqueles que não reconhecem que o são e jamais o admitem, aliás, nem sequer pensam nisso... são cobardes aqueles que pensam que estão acima de tudo e de todos, e que pensam que podem humilhar e maltratar quem nem sequer está no horizonte deles nem faz parte da sua esfera de interesses... são cobardes aqueles cujo objectivo de vida é fazerem mal aos outros, em especial a quem não tem nada a ver com o que eles pensam e o que dizem...