sexta-feira, 30 de maio de 2008

MONÓLOGO







Sinto….




O desespero da noite…




Ela sente o meu nervosismo…




Falo sem parar….




Num monólogo frenético….




Sento-me e levanto-me….




Numa ansiedade crescente….




Numa frustração aguda……




Influência talvez da noite...




.............Desespero-me agora eu………………




Fica mais densa a noite….……………




já sem jogos de luz e de sombra…………..








(Foto: "Neblina (3) de K.O.T.A (Luis Azevedo, Olhares.Com)

7 comentários:

Só Eu disse...

Quando "fica mais densa a noite" estende-te num leito de nuvens banhadas pela lua, fecha os olhos e simplesmente ouve a maresia...
Continuo a gostar do que escreves!

Nuno de Sousa disse...

Lindo jogo de palavras numa foto magnifica de um grande amigo, o KOTA tem excelentes fotos.
Bjs amiga e mai sum post de encantar.
Nuno de Sousa

Joseph disse...

Marta
Olá

Este MONÓLOGO é um repercutir dos teus medos, dos teus suspiros, dos teus sonhos.

Ansiedade, nervosismo e desespero na noite?...

Sossega a tua alma, minha querida amiga.

Eu sei e espero que isto seja só poesia.

Beijinhos ternos de carinho:)**

cõllybry disse...

A noite se faz em verso,no jogo de sombra e luz,que não se faz...Na noite as Almas percorrem em frenesim, o espaço...

Terno beijo, que esta noite se faça em ondas de ternura...

Menina do Rio disse...

Uma forma interessante com que descreves a noite na ansiedade que se faça a luz...

Um beijo

Alexandre disse...

Monólogos, quantos monólogos temos que fazer ao longo da vida, uns mais monólogos que outros...

Muitos beijinhos!!!

Paula disse...

Lindo Blog Marta!

Bonita poesia traduzida na leveza das palavras!

Abraço