sexta-feira, 4 de novembro de 2016

A PAIXÃO DO INSPECTOR


Alguém descuida-se e a porta do prédio bate com força.  

Leandro acorda sobressaltado e olha para o relógio.

" Bolas! São 08 horas e é domingo!" resmunga, mas está Sol e as pessoas querem aproveitar o dia na praia.

Resignado, levanta-se e decide tomar o pequeno almoço na varanda.  Hoje, não quer ler o jornal; está deprimido demais. 

A investigação está num impasse; há novas pistas, mas Leandro acha que o resultado vai ser o mesmo.

Zero! Suspira, contrariado e está quase a telefonar ao Sargento Bernardes para lhe pedir que confirme uns dados quando o telemóvel toca.

" Estou?" e ao reconhecer a voz, sorri como um adolescente.

(CONTINUA)

3 comentários:

Anjopoesia Anp disse...

Esperando a continuação do conto...

Sofá Amarelo disse...

Há assuntos em que mesmo o Domingo não pode servir de desculpa para não resolver... na expectativa quanto ao desempenho do Leandro...

Agostinho disse...

Olá, Marta
vou começar a ler a saga do Leandro que, pelos vistos começa pelo Inspector, com cê, para que a consoante possa entrar com propriedade nos meandros da acção (investigação?)
Ainda não li uma linha e já a comentar!!! É um desaforo! Já lá vou e depois direi de minha justiça. Espero não merecer condenação.

Bj.