segunda-feira, 7 de novembro de 2016

A PAIXÃO DE LEANDRO - PARTE II


Tinham-se conhecido no hall do Tribunal.

Ela parecia perdida, indefesa e quando lhe perguntou onde era a Secção VI numa voz baixa e doce, Leandro não se limitou a apontar o caminho; acompanhou-a até lá.

Ela agradeceu-lhe com um sorriso aberto e um olhar tão sexy que Leandro ficou sem respirar uns segundos.

Não pensou mais no assunto até receber uma planta e um cartão que dizia simplesmente:

" Obrigada pela ajuda.Telefone-me. 
91xxxxxxx
Zélia "

O Bernardes e o Torcato gozaram quando o viram com a planta, mas Leandro ignorou-os, pois não se lembrava de ter dado um cartão de visitas a uma mulher com aquele nome. 

Mas ficou curioso e para grande desilusão do Bernardes e do Torcato, fechou a porta do gabinete e marcou o número.

Quando ela respondeu, o inspector reconheceu aquela voz baixa e doce e sem saber bem como, convidou-a para jantar naquela noite.

Quando desligou, Leandro, divorciado e sem uma amiga especial há tanto tempo, deu por si a assobiar baixinho.

" Oh, Chefe, encontramo-nos aqui às 08h00? " perguntou o Bernardes, mas Leandro olhou para ele tão sério que o sargento não se atreveu a dizer mais nada.

(CONTINUA)

3 comentários:

Daniel Costa disse...

Marta
Rir e cochichar foi a maneira que: Bernardes e Torcato acharam para criticar a atitude apaixonada de Leandro. Os colegas deviam, era estimular a previsivel paixão.

Agradeço que veja, leia e comente BRASIL - O SORRISO DE DEUS.
Agora com o Capítulo: MANAUS E A DIPLOMACIA PORTUGUESA.
Bjs

Graça Pires disse...

Pode ser que dê certo, Marta. É sempre tão imaginativa...
Uma boa semana.
Beijos.

Sofá Amarelo disse...

Hummm, há paixão no ar e mesmo uma pessoa "cinzenta" como o Leandro pode ter os seus momentos pessoais... mistério no ar com história a condizer... o que virá a seguir?