quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A PAIXÃO DE LEANDRO - PARTE III


O jantar tinha sido um sucesso.

Ela escolheu um restaurante discreto e demonstrou ser uma mulher afável,inteligente, culta, qualidades que o Leandro muito apreciava.

No sábado seguinte, foram passar o dia fora e no domingo, ao cinema.

Jantar uma ou duas vezes por semana tornou-se um hábito e quando ela sugeriu passarem um fim de semana num Hotel, Leandro anuiu.

Mostrou-se um pouco nervoso e confessou-lhe que há muito tempo que não estava com uma mulher.

Ela riu-se e perguntou, brincalhona: " Refere-se a sexo?".  

Leandro riu-se também e correspondeu ao beijo que ela lhe exigiu.

Naquela segunda feira, Leandro estava nas nuvens e entrou tão sorridente no gabinete que o Bernardes não se conteve e comentou:

" O Chefe teve companhia este fim de semana. E ela deve ser...."

" Não interessa se tive ou não companhia, Bernardes!" interrompeu o inspector " O relatório que lhe pedi? Já devia estar na minha mesa..."

Com um " Desculpe, chefe" , Bernardes saiu do gabinete, mas numa pausa, ele e o Torcato discutiram intensamente o affair do chefe.

" Ainda bem! Há tanto tempo que não tem ninguém!" disse o detective.

" Está mais acessível, mais brincalhão!" referiu o Bernardes " Até deixou de usar aquelas camisas aborrecidas."

Entretanto, Leandro tentava concentrar-se no caso, mas o pensamento fugia-lhe para o corpo quente da mulher com quem tinha passado o fim de semana.

(CONTINUA)

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

O Inspector Leandro afinal é humano, mas na hora da verdade o trabalho vem ao de cima, e os relatórios sobrepõem-se... no entanto, há sinais de que mudou, e quem anda à sua volta nota... como nós notamos quando algo idêntico se passa com alguém que está perto de nós...