sexta-feira, 18 de novembro de 2016

A PAIXÃO DE LEANDRO - FIM


" Tem a certeza que a matrícula é esta, chefe?" questiona o Bernardes.

" Absoluta! Porquê? O que se passa?" pergunta o inspector.

" Não me é estranha. Onde é que vi isso?" comenta o sargento " Ah, bem sabia que a tinha visto! Segundo o relatório do Torcato, o carro com essa matrícula pertence ao consórcio que estamos a investigar. É utilizado pelos ditos membros da Administração. Isto é interessante...." e Leandro ouve papéis a serem mexidos e alguma coisa a cair ao chão.

" Então?" diz o inspector, impaciente.

" A presidente do tal consórcio é uma mulher. Chama-se Zélia, Zélia Soutelo, mais conhecida pela " Maldita"." informa o Bernardes " Está-me a ouvir, chefe?" insiste quando o Leandro não responde.

Mas Leandro não pode responder. Na porta da sala, completamente vestida e com uma arma na mão, aparece a mulher que lhe enche os sonhos.

" É melhor desligar, Inspector." pede com um sorriso agradável. " Temos muito que conversar."


FIM

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

É o que se pode dizer ser o Fim mas não o Final, porque ficaram em suspense todos os ingredientes que fazem os grandes policiais. E aqui há um pouco daquilo que se percebe nos inspectores e polícias que muito se dedicam ao seu trabalho: sabem descortinar o que se passa com os outros mas não consigo próprios, e foi o que aconteceu com o inspector Leandro, talvez vítima de uma certa ingenuidade... mas o drama está lançado... é esperar pelos próximos capítulos... ou então imaginar os vários fins possíveis. Parabéns pelo conto policial, muito bem engendrado e descrito.