terça-feira, 27 de setembro de 2016

O SAPO CANTOR - PARTE II


O professor abanou a cabeça e suspirou:

" Nem os meus conselhos sobre o canto ele quer ouvir! Achas mesmo que posso discutir esse assunto com ele? Já se queixa de ser um incompreendido; imagina se lhe digo que os vizinhos estão fartos dele!" 

" Então, falo eu com ele! Temos que resolver isto; caso contrário, teremos um motim em mãos!" decidiu o Ancião.

Mas, tal como o professor o avisou, o sapo cantor recusou-se a ouvi-lo e repetiu:

" Sou um incompreendido! Estou rodeado de ignorantes que não sabem o que é a arte!"

O Ancião zangou-se e repreendeu-o:

" Não é nada disso! Apenas não querem que cantes à noite! Aluga um estúdio; trabalha lá e descansa em casa!!!" explicou.

Saiu, exasperado com a teimosia do cantor e sem saber o que dizer aos outros sapos.

Estes esperavam-no no gabinete e o Ancião não esteve com rodeios. Contou tudo.

Os outros sapos ficaram furiosos e a discussão foi violenta.

" Ele é que é um ignorante! E incompreendido? Ah, espero que não me encontre na rua; não respondo por mim!" disse um.

" Se voltar a cantar às duas da manhã, arrombo a porta e desfaço a dita sala de música." gritou outro.

(CONTINUA)

2 comentários:

oteudoceolhar disse...

... e quantos incompreendidos haverá por aí???
A ver vamos o que o Sapo fará...
Beijos n´oteudoceolhar *

Sofá Amarelo disse...

Mas sapo que é sapo tem que cantar... à noite... porque é à noite que estão reunidos os ingredientes que fazem dos sapos verdadeiros cantores... se calhar os outros sapos já estão moldados à civilização do charco e tenham esquecido as tradições...