quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A EMPRESA - PARTE IX


O Bernardo confessa tudo e pede-nos para não contactarmos a polícia.

Não o fazemos, mas comunicamos ao Instituto de Emprego que, embora o trabalho fosse satisfatório, o Bernardo não continuaria o estágio na Empresa por "não se enquadrar na nossa política". 

Como lhe disse o Jaime quando se inteirou da situação:

" Todos merecemos uma segunda oportunidade. Vê lá não estragues a próxima; podes não encontrar pessoas tão compreensivas!" frisa.

A Ana tenta localizar o Jorge, mas ele não atende o telemóvel. A Master D apenas nos diz que ele aceitou um outro estágio e considera o assunto encerrado.

A vida volta ao normal... Ou não, pois sinto-me um pouco culpada por tudo o que se passou e a minha relação com a Ana e a Carolina está diferente.

Noto uma certa distância a nível pessoal, pois ambas continuam a cumprir as funções atribuídas de forma eficiente e dedicada.

Mas há sempre um "mas".   Recebo uma notificação do Tribunal para me apresentar hoje às 10h00 para esclarecimentos sobre o " estágio de Jorge Manuel Rodrigues na Empresa de Eventos Mor".

Aguardo que me chamem...  O que vai acontecer agora? A mim e à empresa...

Como diria a minha Mãe: " Devias ter pensado antes!"


FIM



A próxima história é....?????


2 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Um epílogo que... pode não ser! Tudo depende das perspectivas e das expectativas! Um desfecho feliz... ou talvez não... tudo depende da imaginação de quem lê e de como interpreta... excelente história, mais uma para o rol de um livro de contos policiais que terá que nascer em breve... parabéns :-)

Ana Carolina Soliter disse...

Amigos meus e da Leninha: apenas para agradecer por todas as demonstrações de afetividade manifestadas no seu blog e pela solidariedade a mim e toda a nossa família.
Estamos bem, dentro do possível. A Leninha postou uma mensagem lá no seu espaço, e quero dizer que ela visitará a todos oportunamente, apenas o tempo de se organizar nesta nova vida que a espera.
Nosso carinho a todos, e nossa gratidão a cada um.
Aninha