terça-feira, 13 de setembro de 2016

A EMPRESA - PARTE VI


" Não, não acredito, Mena. Os dois são muito bons e eu e a Ana até vamos recomendar que um deles fique depois do estágio." confidencia a Carolina.

Contudo, a Ana, que entra nesse momento, interrompe-a:

" Olha que não sei se será boa ideia, Carolina. Estive ao telefone com a D Margarida Santarém e ela perguntou-me uma coisa muito estranha." comenta, sentando-se no sofá ao lado da Carolina.

Inclino-me para a frente e incentivo-a a falar: 

" Anda lá, conta tudo; não escondas nada!" peço.

A Ana respira fundo e continua: " Perguntou-me se tinha plena confiança nas pessoas que estiveram presentes no jantar que ofereceu há uma semana. "Desapareceu" um telemóvel de um dos convidados e encontraram vazia a carteira de um outro. A D Margarida pediu imensa desculpa por estar a questionar isso, mas nunca aconteceu tal coisa nos outros jantares que nós lhe organizamos. Não sei o que pensar!" confessa.

" Quem estava presente? " pergunto-lhe e a Ana diz: " Eu, a Amélia e os dois estagiários. O Bernardo tinha a lista dos convidados e organizou os lugares e o Jorge tratou do bar. Oh, meu Deus, terá sido um deles?" murmura.

" Não duvides! Vamos resolver isto agora!" marco a extensão dos Recursos Humanos e mando chamar os dois estagiários.

" Oh, Mena, está a ser precipitada! Temos que investigar isto cuidadosamente!" recomenda a Carolina.

" Podes estar a acusar um inocente!" acrescenta a Ana. 

Mas eu ignoro-as...

(CONTINUA)

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Noutras circunstâncias eu diria que foi o mordomo, mas como já não há mordomos nestas coisas geralmente o autor é quem menos se espera que o seja... quiçá, a senhora da limpeza que entrou sem ninguém dar por isso, ou alguém que passou para ir à casa-de-banho... está montado o mistério, mas tenho a certeza que não foi nenhum dos estagiários...