sexta-feira, 30 de setembro de 2016

O SAPO CANTOR - PARTE III


" Silêncio!" impôs o Ancião " Ninguém vai fazer nada! Vamos ser civilizados e dar-lhe um prazo para se organizar... Caso não o faça, tomaremos as medidas necessárias!" acrescentou.

E, eis porque, um mês passado o sapo cantor entrou de malas e bagagens num comboio a caminho do Leste. Talvez por lá os sapos apreciem mais o belo canto, pensou.

Infeliz, foi até à carruagem bar. Ao abrir a porta, quase ensurdeceu com o barulho.

O bar estava cheio de gente, uns a beberem, outros a cantarem.  E são árias de ópera, registrou o sapo ao aproximar-se a custo do balcão.

" Um chá, se faz o favor." pediu " O que se passa aqui?" perguntou ao empregado.

" É uma companhia de ópera itinerante e para animar a viagem, cantam as áreas favoritas dos outros passageiros." explicou o empregado, servindo-lhe o chá.

A ária terminou e o sapo aplaudiu como os demais, gritando: "Bravo!"

O cantor agradeceu e sorridente, perguntou-lhe: " Então, o que gostaria de ouvir?"

" Eu? " repete o sapo cantor, admirado.

CONTINUA

2 comentários:

Graça Pires disse...

Gosto deste sapo cantor...
Um beijo, Marta.

Sofá Amarelo disse...

Ao menos o Sapo tem noção do seu valor, heheh, e quem sabe iremos dar por ele mais à frente como uma importante figura internacional... esperemos que sim...