segunda-feira, 18 de julho de 2016

DEMAIS IV (O FIM)


O jantar tinha sido um verdadeiro sonho...

Um restaurante no último andar, acesso exclusivo a membros e a comida requintada...

Mena sorria quando entrou no carro e o motorista (Zé, João do Laço? Seria?) fechou a porta com deferência.

" Será que este é o homem dos meus sonhos?" pensou instantes antes de receber um beijo
exigente que a fez estremecer...

De paixão? De desejo? Mena não quis aprofundar e relaxou contra o peito do homem.

E pensar que tinham decorrido apenas 48 horas desde que se conheceram no evento que tinha organizado.

Ele destacava-se dos demais... Emanava um ar de poder e de perigo que a fascinou...

" Mmm..." disse a Elvira, o seu braço direito " Este homem não é de confiança! Há qualquer coisa nele que não bate certo."

Mas Mena encolheu os ombros e quando ele lhe ofereceu uma taça de champagne, embora fosse contra as regras, ela aceitou-a.

FIM 

=======

Aqui fica a minha história (tentativa) escrita do fim do princípio.

Espero que tenham gostado... Eu gostei..

Obrigada pelo incentivo. 

4 comentários:

Graça Pires disse...

Muito curiosa esta forma de contar a história. Li agora todas as partes e achei muito bom...
Um beijo, Marta.

heretico disse...

apanhei o Fim.
e gostei.

vais publicar?

beijo

Sofá Amarelo disse...

E fica tudo em aberto como deve ser nos policiais... quem lê é que deve fazer o julgamento e uma história pode ter vários desfechos, em especial quando se deixa a imaginação navegar... e uma taça de champanhe pode significar o começo ou o fim de uma história... ou ser apenas o ponto de partida para outra história...

© Piedade Araújo Sol disse...

li agora todos os capítulos.
muito intrigante e assim fica o suspense no ar.
gostei.
tens jeito também para a narrativa.
bom fim de semana.
beijinho

:)