terça-feira, 31 de maio de 2011

SEMPRE

Em ti…
Desdenho a lucidez…
E, a sensatez?
Desconheço-a no deslize do meu corpo…


II

Em ti…
Sempre em ti…
Encontro-me nas tuas memórias…
Não sei onde estarão as minhas….

III

Serei o teu segredo?
Divulgo-me no teu sonho?
Ou nada importa,
porque sei que te vivo em mim….



Autor da foto: Desconhecido (via Facebook)

6 comentários:

Liene disse...

E essa certeza do outro em nós é que nos faz sentir únicos...

Intenso e muito sensual...

Um abraço carinhoso e que você tenha um lindo dia!

A paz esteja contigo

Paixão Lima disse...

A erosão do tempo afecta a memória. Mas quando alguém vive em nós é porque faz parte de nós. E viverá «sempre» enquanto nós vivermos.

Sofá Amarelo disse...

Pouco importam as memórias quando os segredos são divulgados nos sonhos, desdenhando a lucidez e desconhecendo a sensatez... o importante é sentir a Vida!

Daniel Costa disse...

Marta

O mesmo que: vivo de sensata lucidez, o teu mundo que me importa?

Beijos

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema, querida amiga.
Gostei muito da sensualidade das tuas palavras.
Beijos.

Vieira Calado disse...

Não conhecia o blog.

Achei-o variado e interessante.

Saudações poéticas