sexta-feira, 27 de maio de 2011

NUMA DEIXA

Se pudesse,
esculpir-te-ia um mundo perfeito…
Alinharia o sentido das coisas
e amar-te-ia de alma limpa...


II

Perfeita é apenas a noite de amor...
Um poema de desejo,
declamado na paixão,
selado na cumplicidade dos corpos...
III

Podia escrever sobre qualquer coisa...
Banalidades sobre a Lua e as estrelas...
Mas as minhas mãos tocam-te
numa deixa....



Foto do álbum de João Mateus "Poetry" (via Facebook)



7 comentários:

Paixão Lima disse...

O mundo é imperfeito!
«Perfeita é apenas a noite de amor...»
Concordo!

Nilson Barcelli disse...

Mas esculpiste de tal modo as palavras que fizeste um magnífico poema.
Gostei imenso.
Querida amiga, bom fim de semana.
Beijos.

Sofá Amarelo disse...

Pode-se dizer sempre banalidades sobre tudo o que nos rodeia, mas as palavras têm a cumplicidade de selar dois corpos através das mãos que se tocam num poema de desejo... e a Lua e as estrelas fazem parte do mundo perfeito que se esculpe com a Alma!

Anita de Castro disse...

Um poema cheio de sentido
Passamos a amar não quando encontramos uma pessoa perfeita, mas quando aprendemos a ver perfeitamente uma pessoa imperfeita.

Daniel Costa disse...

Marta

Ainda que em poesia, aparecam as tais banalidades. Os teus poemas, inclive o presente, têm o sentido da profundidade de pensamento.
Beijos

Álvaro Lins disse...

"Podia escrever sobre qualquer coisa...".
Felizmente tens essa capacidade! Acho que tenho "inveja" de ti.
Abraço

João Ludugero disse...

Olá,boa noite!
Adorei vir aqui.Seu espaço é DEZ!!!
Gostei mesmo de tudo que li e reli. Já te sigo, de tanto que gostei do seu cantinho maravilhoso. Reverdece a alma da gente! Abraços,
João, poeta.
www.ludugero.blogspot.com
Até mais!