segunda-feira, 7 de março de 2011

SEM BRILHO

Sei que falta alguma coisa.
Brilho, glamour, paixão.
Nada disso há na solidão
em que o meu mundo se fechou.

Nunca me tinha apercebido
até que ponto a noite
pode ser solitária.
Como qualquer ruído é ainda mais intenso.

Lamento-me, eu sei.
E, as lágrimas?
São sinal de fraqueza....

Quem o diz,
nunca sentiu a dor que nos arranca a pele,
nos sufoca lentamente.

Sem glamour,
sem paixão,
sem brilho.



Foto de Phatpuppy "What holds me here" (DeviantArt)

7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

A noite é a verdade das coisas, a verdade dos corpos e das almas, é de noite que o brilho, o glamour e a paixão se arrebatam na intensidade do ruído silencioso porque sufocar lentamente é sentir a dor na pele... sem glamour, sem paixão, sem brilho...

AC disse...

Marta,
Seja como for, as lágrimas ajudam a limpar a alma. E há sempre dignidade nesta espécie de reencontro.
Tocou-me!

Beijo :)

Liene disse...

Marta,

As lágrimas jamais são sinais de fraqueza. Elas apenas fazem escorrer pelo rosto o que o coração já não suporta mais segurar. E para esses corações a noite é o momento em somos confrontados com nossa real situação e isso pode doer demais.

Mas de qualquer forma sempre há a esperança de um sol no dia seguinte.

Beijos no seu coração

Secreta disse...

As lágrimas por vezes são o único recurso que nos resta , para nos libertarmos do peso que nos sufoca a alma.

Daniel Costa disse...

Marta

Simplesmente gostei, sou mesmo teu fã-
Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

a nostalgia está patente em todo o poema.

por vezes as lágrimas fazem bem e apaziguam a alma.

um beij

JPD disse...

É bom saber o que se tem, o que falta e o que se pode dispensar.

Depois, as emoções tratarão do resto.
Bjs, Marta