segunda-feira, 23 de março de 2009

VACILAR - Parte I





Já não me vacilam os gestos
Nem magoado está o silêncio

Há apenas as carícias ocultas
E as palavras, outrora escritas com sal…
Agora são doces e perfumadas
Como a rosa que acaba de florir…

O meu horizonte parece vazio
Ilusão
Continua a sentir as ondas e a cor do mar
Embrulhadas na hora mágica
Hora em que se despoja de tudo
e se reinventa….




(Foto "The Colour of Passion" Pedro Casquilho, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

8 comentários:

Secreta disse...

Bonito este teu "Vacilar" ... espero por mais! :)
Beijito.

ematejoca disse...

A minha poesia
É um jardim de luz
Em cada roseira sem espinhos
Há uma rosa para colher
Sem fazer sangue

Uma rosa está à tua espera, Marta, no "ematejoca azul" - o blogue para as pessoas que compreendem a Língua Portuguesa.
Rosa, essa, que celebra a tua poesia erótica de que tanto gosto.

Uma semana cheia de bons momentos.

Nilson Barcelli disse...

"Agora [as palavras] são doces e perfumadas como a rosa que acaba de florir"
Gostei desta imagem, muito poética.
Mas todo o poema é belíssimo cara amiga.
Boa semana, beijo.

Patrícia disse...

Senti que este poema tem um tom forte e ao mesmo tempo palavras adocicadas. Gostei.

Beijinhos Marta=)
Patrícia

Teresa David disse...

UM POEMA LINDO COMO TODOS OS QUE FAZES MAS ONDE SINTO UM BEM ESTAR DIFERENTE DE MUITOS OUTROS. GOSTEI.
BJS
TD

Carla disse...

desde que não se perca a capacidade de sonhar o horizonte nunca será vazio
beijos

Sofá Amarelo disse...

E tudo é sempre reinvenção... o mar, o silêncio, os gestos, as carícias... são pura reinvenção, sempre, todos os dias...

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, como sempre belo poema...Espectacular....
Beijos