sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

INACABADO E FAVORITO






Fico sem sonhos e sem palavras
Entre poemas sobre nuvens
Neblinas e névoa
Sorrisos perdidos

Num dia tão frio e feio
Descanso por entre murmúrios sem nexo

Mas a paixão regressa
Envolta em desejos e vontades
Sinto-me desafiada

Reescrevo poemas inacabados
Inspiro-me em palavras favoritas
Mesmo que apenas fale sobre o silêncio



(Foto "Morgana" de Alba Luna, Reflexos)
(Textos protegidos pelo IGAC)

(Palavra chave do post: Silêncio)

6 comentários:

Nuno de Sousa disse...

Pelo texto e um belo desafio esse, nada como atacar esse "problema" de frente :-)
Mais um post de grande beleza e sensualidade.
Bjs amiga e um bom fds
Nuno

Sofá Amarelo disse...

Reescrever poemas é a essência da busca das palavras que já forma ditas e que continuam ater todo o sentido... reescrevamos poemas e sentidos...

angel bar disse...

"Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme." (Pessoa)

Bom domingo.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Reescrever poemas, nunca será o mesmo poema, mas inevitavelmente outro.
Marta:
Postei no Galeria. Gostaria que vc fosse apreciar o meu post e que deixasse a sua opinião.
Um abraço,
Renata

Sol da meia noite disse...

O silêncio encerra um nunca mais acabar de palavras...

Beijinho *

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, os poemas nunca estão acabados.
Pelo menos os meus, pois quando os releio vejo sempre alguma coisa a reescrever...
Mas os teus "poemas inacabados" são outros... mas sem sonhos e sem palavras bem eles podem esperar sentados...
O teu poema é fabuloso, gostei imenso, ainda que dê (e isso é bom) pano para mangas...
Beijo.