quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

ABRAÇO



Escondo-me
Da Lua
E dos seus raios brilhantes

Pois hoje sinto na pele
Uma dor
Uma amargura
Que não sei decifrar

Se te procuro
No calor
No carinho do teu abraço

Com a vida me reconcilio

Porque é que me continuo

a esconder da Lua????




(Foto "Bouin" de Angelica, Olhares)

(Textos protegidos pelo IGAC)

(Palavra chave: Calor)

7 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, bela fotografia...belo poema...
Ser capaz de encontrar alegria na alegria do outro é felicidade...
Beijos

Sol da meia noite disse...

Por vezes somos comandados por sentires que geram actos involuntários.
Escondemo-nos quando queremos aparecer, por exemplo. Fugimos do que precisamos... e tanto mais.
E tudo isso provoca essa dor de que falas. Dor que nem se entende.

Beijinho *

Sofá Amarelo disse...

E a Lua está aí no céu da noite, brilhante como só ela sabe brilhar... quase cheia como só ela sabe ser... escondemos as mãos e o carinho da Lua para que ela não nos roube os abraços...

Fernando Rozano disse...

tua poesia sempre sensível e com imagens bellíssimas. gosto imenso da tua escrita. beijo, Marta.

angel bar disse...

Passei para deixar convite para um drink, “Poção do Amor” no Angel Bar. “Abraço de Frio”.
Bom Domingo.

pin gente disse...

nem sempre nos entendemos, marta.
um abraço
luísa

Helena Paixão disse...

Há dias assim, em que a tristeza nos assola sem sabermos bem porquê. O melhor é não pensar muito nisso e trocar por pensamentos de coisas que nos alegram.

Força e bjinhos.