quarta-feira, 24 de agosto de 2005

DE VOLTA AO PORTO


Deixo a porta encostada e não acendo as luzes.
Abro, apenas as janelas para que a brisa entre e me faça companhia.
Nas mãos, tenho a máquina fotográfica e rebobino o rolo cuidadosamente.
Vagueei por aí, esta tarde a tirar fotografias, a tudo e a nada, sem obedecer a um plano.
Apenas sabia que procurava a paz do Jardim dos Sentimentos, para me redescobrir e apaziguar a alma que insistes em perturbar.
Há uma estátua no Jardim, a que chamam dor.
Primeiro, olhamos para a cara, com os olhos fechados para esconder a expressão de dor que se adivinha pela forma como o corpo se deixa cair contra a parede.
Plantaram murta à volta da estátua, a única que existe no Jardim e na pequena placa, que pensei teria uma explicação mais profunda, apenas escreveram "murta" e o nome em latim.
Estranho ver a Dor representada; estranho ser a única estátua no Jardim.
Ou talvez não!
Fiquei a pensar como esculpir a inveja ou a saudade e esqueci-me por completo que tu existias.
Sorri e passei a mão carinhosamente no tronco da Oliveira!
Estou em Paz!
É bom estar de volta ao Porto!

Sem comentários: