segunda-feira, 8 de agosto de 2005

A BRINCAR COM A SOMBRA E O VENTO

Nunca pensei que o vento tivesse sombra…….
É um amante impulsivo, irreverente, que nos abraça fortemente ou nos afasta violentamente, esgueirando-se depois pelas frinchas, pelas vielas, deixando-nos aturdidas.
Talvez a sombra seja a destruição, o caos que deixa, com uma arrogância sem igual.
Mas eu só lhe sinto o carinho quando brinca com os meus cabelos ou me tenta arrancar o casaco.
Ou a dança que concebe com as folhas quando paro no jardim para redescobrir a beleza daqueles recantos que conheço de cor.
Ou os murmúrios trocistas quando me sente contrariada, angustiada e com vontade de desaparecer.
Ou quando resolve brincar às escondidas comigo e desaparece no preciso momento em que eu fecho os olhos.
Nunca lhe levo a mal, porque quando eu menos esperar, lá aparece ele para me atormentar, me seduzir e me impede de respirar livremente.
Tal como um amante………………..

P.S.: “A Sombra do Vento” é um título de um livro. Infelizmente, não fixei o nome do autor!

1 comentário:

Dora disse...

Tão bonito, este post! Marta, acho a tua escrita mais solta, mais determinada. Um excelente momento para iniciares o romance, ou o livro para crianças, o que quiseres! Acho é que deves mesmo fazê-lo. Sente-se a tua vontade e a tua força!