quinta-feira, 6 de abril de 2017

O DJ - O NOVO CASO DO INSPECTOR LEANDRO - PARTE IV



O vestiário era uma sala quadrada, com um sofá encostado a uma das paredes. As outras duas tinham cacifos e a quarta tinha um balcão a todo o comprimento. A equipa técnica tinha marcado o local onde estava o corpo e Leandro lembrou-se do que a gerente tinha dito sobre isso.
... encostado à parede...” Como, se havia ali aquele balcão e aparentemente o corpo não tinha qualquer golpe e não havia ali vestígios de sangue?
Marcas de arrastamento? “ perguntou ao técnico, mas este abanou a cabeça e continuou a fotografar.
Leandro ficou pensativo uns minutos e resolveu ir directamente até ao Instituto de Medecina Legal. Talvez já lhe pudessem dar alguns pormenores, mas a médica-legista riu-se:
Oh, Inspector Leandro, acabo de receber o corpo. Só lá para o fim da manhã, princípio da tarde... O Senhor está sempre com muita pressa!” queixou-se.
Há qualquer coisa estranha nisto!” justificou-se Leandro, mas a médica não ficou convencida.
Há sempre qualquer coisa estranha nos seus casos, Inspector!” argumentou.
Entreguem a roupa à equipa técnica, ok?” recomendou Leandro e a médica fez um gesto exasperado:
Senhor Inspector, sabemos muito bem qual é o protocolo!” e saiu da sala.
Leandro respirou fundo para acalmar e saiu para a rua já cheia de gente apressada e de carros.
Quando chegou ao escritório, só lá estava o Torcado que encolheu os ombros à pergunta muda de Leandro. Não, não sabia onde estava o Tavares e muito menos o Bernardes.
O sargento apareceu uns minutos depois e apressou-se a dizer:
Calma, chefe. Já pedi as informações bancárias e os registos telefónicos do bar. E o Tavares está a contactar a empresa de segurança que trata do bar. Vou agora contactar o tal Miguel e marcar uma entrevista para hoje à tarde.” acrescentou.

CONTINUA

2 comentários:

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Vi sala, cacifo e amor.
Amor que é feito de nada
Que adentra como rajada
De vento a ser como for.

Chega sem pedir favor,
Instala-se e faz morada
No coração e a cada
Dia é bem mais dominador

De todos os sentimentos
Não foge a mil pés de ventos.
Eterniza-se na mente

Sobrepondo-se a elementos
Maiores que os sentimentos
Que a gente pensa que sente.

Bela postagem! Parabéns. Já perto, boa Páscoa! Cordialmente. Laerte.

Sofá Amarelo disse...

Excelente descrição do ambiente e do cenário com referência também às interacções humanas... a investigação continua...