quarta-feira, 12 de abril de 2017

O DJ - O NOVO CASO DO INSPECTOR LEANDRO - FIM


É o Torcato quem interrompe o silêncio da sala ao avisar de que está alguém à espera do Inspector na sala 4.
“ Quem é?” perguntou Leandro, mas o Torcato abanou a cabeça. 
Tinha perguntado, mas a pessoa insistiu que só falaria com o inspector encarregado do caso.
O homem na sala de interrogatórios estava visivelmente doente. Tinha os olhos inchados, o nariz vermelho e apesar do casaco grosso, tremia. 
O Sargento Bernardes apressou-se a pedir um copo de água e Leandro mandou-o sentar-se.
“ Sou o inspector Leandro Marques e este é o Sargento Bernardes. O senhor é?”
“ Miguel... Miguel Fontes.” respondeu e teve de imediato um ataque de tosse. 
O Sargento deu-lhe o copo de água e Leandro esperou até que ele o bebesse.
“ Porque é que veio, Snr Miguel Fontes? O senhor está muito doente e podiamos interrogá-lo mais tarde.” explicou o inspector.
“ Mas eu tinha que vir. Eu tinha que lhe dizer...” e tossiu novamente. Meteu as mãos nos bolsos à procura de um lenço, mas um novo ataque de tosse impediu-o.
“ Chame o INEM!” ordenou o Leandro ao Bernardes “ Este senhor tem que ir de imediato para o Hospital.” continuou ao ver que Miguel tinha dificuldade em respirar.
Miguel Fontes abanou a cabeça e estendeu a mão por cima da mesa.
“ O senhor não sabe o que eu fiz!” sussurrou “ Fui eu... fui eu quem matou o Telmo!” e desmaiou.
“ Este senhor desmaiou! Onde está a ambulância?” gritou Leandro.
Bernardes entrou novamente na sala e com um “Raios” entre dentes, ajudou o inspector a pôr o homem numa posição mais confortável.
Um outro polícia entrou com um cobertor e cobriram o dono do bar que continuava sem dar acordo de si. O INEM chegou entretanto, para grande alívio de Leandro e meia hora depois, Miguel Fontes estava a caminho do Hospital.
“ Ele disse alguma coisa?” perguntou Bernardes quando a situação acalmou.
“ Que foi ele quem matou o DJ.” retorquiu Leandro “Mas porquê? E como se está gravemente doente?”
Ninguém lhe respondeu, pois estavam tão perdidos como o Inspector. 
Excepto o Tavares que apareceu, sabe-se lá donde, todo excitado.
“ Sabem com quem esse tal DJ andava?” perguntou e fez uma pausa para criar impacto.
Mas o olhar severo do Inspector fez com que mudasse de ideias e anunciou:
" A irmã do Miguel Fontes e consta que a separação foi turbulenta."
E todos na sala tiveram a certeza naquele momento de que tinha sido ela a assassinar o DJ Mórbido e o irmão a estava a proteger.

Se é ou não verdade, fica para uma outra história.

FIM


1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Tudo em aberto como um bom conto policial e uma boa série de televisão: que virá a seguir? Será tudo assim tão explicito? Um assassino não confessa tudo assim tão "facilmente", mas... e há sempre um mas... na vida e nas atitudes... foi atingido o principal de qualquer texto / história / conto: suspense! Parabéns!!!