domingo, 29 de janeiro de 2012

TEMPO CONTADO

Esta noite não tenho o tempo contado.
E ao apelo da minha fantasia,
escondida, mas não esquecida,
sucumbirei.
Serei um poema exótico,
uma voz despojada de tabus
num corpo nu.


Foto do albúm "Poetry" de João Mateus

6 comentários:

AC disse...

Muito belo e envolvente, Marta!

Beijo :)

Secreta disse...

Serás...sempre...um poema de entrega.
Beijito.

Sofá Amarelo disse...

Para quê contar o tempo se o tempo não conta nos apelos das fantasias e nos contornos dos corpos nus dos poemas exóticos.

O tempo pode nunca ser esquecido, muito menos escondido, mas pode ser sempre despojado de tabus!

Daniel Costa disse...

Marta

Para o poeta não tabus, há sim belos e imaginativos e deliciosos poemas a escrever!
Beijos

Álvaro Lins disse...

O que há de mais belo que um corpo nu?!
Só um poema teu:)!
Bjo

Nilson Barcelli disse...

Nunca é bom esquecer a fantasia, mesmo que às vezes ela ande escondida...
Belíssimo poema.
Beijo, querida amiga.