domingo, 3 de abril de 2011

VONTADE DE VIVER

Desço à praia,
quando muda a maré.


Procuro,
no vaivém tranquilo das ondas,
aquilo que só o olhar vê e sente.


Essa chama,
essa vontade de viver
que, por vezes,
em mim se apaga.


Não me perguntes porquê;
nem eu própria sei....
 
 
 

Foto de R de Rien, "Nobody knows" (Olhares)

8 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Não sabemos o porquê do vai e vem tranquilo das ondas, só sabemos que a chama da vontade de viver se acende quando respiramos a praia através do olhar e do sentir... mas, por vezes, as ondas espraiam-se na areia fina e demoram a regressar ao mar de onde vieram... é importante que não deixemos que as ondas demoradas nos apaguem a chama...

Secreta disse...

Nem sempre temos respostas para tudo...

Álvaro Lins disse...

Às vezes é só questão de em vez de olhar para "dentro"...olhar para o lado! Nem sempre funciona, claro!
Bjo

JPD disse...

Belo poema.
Bjs

Daniel Costa disse...

Marta

Como o ondular do mar, viver terá por força de se gostar.
Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

há perguntas que não se fazem, porque, simplesmente nao se sabe a resposta.

um beij

R.B.Côvo disse...

Lindo...

Nilson Barcelli disse...

Não precisas de saber tudo.
O sentir é o mais importante...
Belo poema, gostei imenso minha querida amiga.
Beijos.