quinta-feira, 14 de abril de 2011

MUSA - VERSO

Vozes..

O eco de milhares de vozes
na sala ampla.


Algumas discordantes,
outras cheias de elogios,
mas muitas indecisas.


Nenhuma,
no entanto,
fala em pecado...


Se existe...
Em qualquer um destes
olhares....
Na forma como o corpo
domina o espaço....
Nos sorrisos trocistas,
por vezes,
ou nos risos francos...


Que sei eu?

A musa,
a modelo,
encostada à parede,
a girar o copo na mão....
Para enganar o tempo.....







Foto de Armene, "Elegant" (DeviantArt)
 
(CONTINUA)

6 comentários:

AC disse...

Apesar de tudo o corpo ainda parece agitar alguns conceitos...
Marta, uma bela ideia, esta, de agitar alguma poeira que ainda se vê por aí.

Beijo :)

Sofá Amarelo disse...

Nenhuma das vozes fala em pecado porque o pecado ... não existe! Porque são os corpos que dominam o espaço, entre sorrisos francos ou risos trocistas... e o tempo não se deixa enganar quando o desejo natural deambula na sala ampla, indiferente aos ecos de vozes discordantes, elogiosas ou indecisas...

Graça disse...

Vozes... pois. Gosto do que escreves, como escreves.

Beijo e bom fim de semana, querida Marta.

avlisjota disse...

"Para enganar o tempo..."

bem isso queria eu... :-)

belo o teu poema!

Bj e bom fim de semana!

José

Daniel Costa disse...

Marta

É a verdade, mesmo que não queiramos, um sorriso franco, pode vir a conter, algo de ironia aos olhos de que sente.
Beijos

Secreta disse...

Vamos enganando o tempo...
...enquanto esperamos a continuação.
Beijito!