sábado, 9 de abril de 2011

RASTO EM FOGO

Quando a noite chegar,
lançarei, em ti,
antes que imaginemos sequer,
um rasto em fogo
de inacabadas palavras.



Percorrerei esse rasto
uma e outra vez,
em romagem tresloucada,
até que o dia desponte
nos corpos saciados.


Dormiremos, então,
até que o sol nos entre
pelas retinas do cansaço,
despertando-nos para o amor
sempre inacabado…




Foto de ZUL-PHOTO, "HALO" (OLHARES)

9 comentários:

AC disse...

Marta,
Essas inacabadas palavras são deleite permanente...

Beijo :)

Sofá Amarelo disse...

O verdadeiro amor nunca está acabado, o verdadeiro amor apenas admite o botão "pausa", nunca o "off", porque o sono imaginado pelos amantes dá lugar a palavras inacabadas onde os rastos são tresloucados e os corpos saciados... até ao próximo despertar de retinas...

uminuto disse...

assim é o amor uma sucessão de sensações
lindo
bjinho

Liene disse...

Oi Marta!

Me identifico muito com a forma com que você escreve. A sensibilidade da escolha das palavras me encantam sempre...

E se você me permitir gostaria de um dia poder postar um dos teus poemas em meu blog, com os devidos créditos.

Te deixo o meu carinho e o desejo que sua semana seja abençoada!

Secreta disse...

Um Amor inacabado que ainda tem tanto para dar...
Beijito.

R.B.Côvo disse...

Gostei muito, Marta. Abraço.

Chellot disse...

Amei seu Rasto de fogo. Beijos doces.

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema, querida amiga.
Beijos.

THE SCHUMAN PROJECT disse...

delicioso