sábado, 1 de maio de 2010

SEM NOME



Olho-te.

Só isso -

um olhar pelo teu próprio olhar,

pelo teu corpo,

pelos teus sentidos.



Reflectindo,

adoçando os meus

em sensações libertadoras,

sem nome.


Ou têm-no, mas temos

tão pouco tempo juntos,

que nem nos lembramos.


Beijo cada um dos teus dedos,

a tua boca declara-se ao meu queixo

e a minha mão descreve-me nas tuas costas.



Vejo-me como tu me vês..

Delicio-me em ti...

E, quando me encosto nas almofadas,

segues-me.



Foto de Hugo Macedo "Hard Light" (Olhares)


Textos protegidos pelo IGAC -

Cópias, totais e/ou parciais proibidas

Já colocado no WAF





7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Olhar alguém pelos sentidos desse alguém é um êxtase que não está ao alcance de todos: apenas o conseguem aqueles que conseguem adoçar os sentidos em sensações libertadoras....

Fragmentos Betty Martins disse...

._________querida Marta





os sentires.profundos
da entrega

a forma sublime
em cada palavra.tua

um sussurro________teu...






__________///






beijO______ternO

legivel disse...

... a mão que nas suas costas descrevia um corpo era de tal modo hábil e precisa que não havia curva ou recanto que ele não reconhecesse à sua passagem. Apenas não conseguiu destinguir o pequeno sinal preto um pouco acima do umbigo. Ela tinha-o pintado nesse mesmo dia e ainda não atinara como o havia de revelar...

Beijos e sorrisos.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Secreta disse...

"Olho-te"... e esse olhar é vida, é amor, é tudo.
Beijito.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Essa sensualidade na hora de seduzir é perfeita.

Espero não perder contato, viu?

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Nilson Barcelli disse...

Gostei da forma sensual como vais "desenhando" o sentir ao longo do poema.
Gostei imenso, querida amiga Marta.
Beijo.