sexta-feira, 14 de maio de 2010

CUMPLICIDADE



Cumplicidade.


Define-a,
sem palavras supérfluas.


Não consigo definir
o que apenas o
meu corpo compreende.


O que fluí,
naturalmente de si,
em vontades que,
em ti, se duplicam.


Se louco o meu corpo,
nem tento responder.



Foto de Mamazmeiler "Head in the Clouds" (DeviantArt)

Textos protegidos pelo IGAC -

Cópias, totais e / ou parciais proibidas

8 comentários:

Machado de Carlos disse...

Quando isso acontece, não encontramos palavras para dizer alguma coisa. Ficamos pasmados. Sem palavras.
Belas palavras!
(Obrigado pela imagem!).

APC disse...

Obrigado Marta. Claro que terei muito prazer em rever-te. Logo que saiba o dia e a hora afixarei no blog.
Beijo

Sofá Amarelo disse...

Para quê tentar responder aquilo que não tem resposta? Porque a cumplicidade é mais que uma palavra, é uma atitude a ... dois! E só é verdadeira cumplicidade quando as vontades fluem e se duplicam... naturalmente!

Carmem L Vilanova disse...

Que linda cumplicidade, minha querida!
O corpo fala, e muitas vezes muito mais do que as palavras. Há que escutá-lo, respeitá-lo e atendê-lo!
Lindo, lindo!
Beijos, flores e muitos sorrisos!

PS: Recebi teu email e vou responder esta semana!

legivel disse...

... destas cumplicidades não vale a pena procurar definições. É deixar correr o marfim e... os sentidos.

Beijos.

uminuto disse...

por vezes as palavras não são necessárias
um beijo de bom fds

avlisjota disse...

"Não consigo definir
o que apenas o
meu corpo compreende."

Olá Marta, belo o teu poema

Bjs

José

alice disse...

gostei especialmente deste, marta. um beijinho grande.