sexta-feira, 28 de maio de 2010

JANELA




Só mais uma coisa.
Prometo que não peço mais nada.
Nem falarei mais da saudade.
- terei que aprender a viver com ela.
Porque esta porta fechou-se.
Sabem???
Apesar dos altos e dos baixos
da minha vida,
consegui, sempre,
encontrar uma janela aberta.
Não sei se ouvi, se li esta citação,
- para mim, é um mantra.
Esta noite, vou gritar,
deitar cá para fora
toda essa dor,
toda essa raiva
que me perfuram a alma.
Depois,
vou procurar a janela.
Foto de Rattus, "Lá em cima, a luz" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC
- Cópias, totais e/ou parciais proibidas

4 comentários:

Secreta disse...

Há sempre uma janela aberta, ao nosso alcance.
Beijito.

Sofá Amarelo disse...

Se há algo que devemos a nós próprios é a liberdade de abrir a janela e gritar para fora o que nos for na alma... ou não... a saudade não tem hora certa de aparecer...

alice disse...

que assim seja, querida marta. um beijinho grande e bom fim de semana!

Peter disse...

Estive lendo o que escreveste sobre a tua mãe. É uma dor sentida.