terça-feira, 1 de setembro de 2009

DESAFIO EM EXCLUSIVO PARA ELES





Hoje, resolvi desafiar o público masculino....


Em exclusivo...


Não vou impor regras;


apenas pedir um texto interessante,


sem exageros


ou palavras extravagantes


e baseado na imagem (banal??) que aqui deixo..



O público feminino também se pode pronunciar

relativamente aos textos que os "meninos" vão escrever...

Um júri perfeito..


Essa a razão porque o texto deve ficar

aqui nos comentários....



Ah, sim:



DATA LIMITE: 05 DE SETEMBRO até às 24h...........

Como bonús, talvez eu responda com um post meu

ao texto que gostar mais, com a devida autorização

do autor.

Pode ser???


Foto de Ivan Ivanev

11 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Gostei do template, Marta. Espero algum texto "masculino" e volto a comentar. Tem festa no EU E DAÍ? Passa lá, vc é minha convidada.
Beijos,

Graça disse...

Interessante a ideia, Marta. Vou também esperar pelos textos dos "meninos".


Um beijo meu

Nuno disse...

Pois é amiga Marta... é que nem todos têm a arte de saber escrever como tu... olha da minha parte não tens texto que de escrita só mesmo ler, fotos ainda vá que vou fazendo algumas coisas e é o que gosto agora de escrever é só para quem sabe fica o desafio para quem gosta de escrever e tenha jeito.
Bjs em ti
Nuno

pin gente disse...

ah! eu saberia o que dizer da foto se lá estivesse um "rico" mocinho!
cá estarei para dar a minha o(pin)ião das palavras deles.
beijos, marta

~~jorge disse...

Parabéns pelo aniversário da sua página, Marta. Boa noite.

Acompanhei amartaeeu desde os tempos iniciais dos textos semi-desabafo, semi-reflexão, tão… contidos, tão… discretos… mas que pareciam tão… reveladores ao olhar do ser facilmente magnetizável por uma alma feminina se abrindo, olhar que é o meu (honi soit…)

Acompanhei o crescer da prosa poética a partir do ovo da prosa reflexiva, o surgir dos poemas, as reticências… ai, Marta… tantas!… O elidir das reticências, o centrar do poema, perdendo difusão, ganhando precisão… O explicitar do que antes era alusão… Um caminho, o de sua poesia…

Descobri seu blog por puro acaso, há anos, pesquisando em busca do blog (hoje desaparecido) de uma amiga também chamada Marta… não estava certo do endereço, então pesquei uma mancheia de ninhos de marta, martas malukas… e, lá no meio, a Marta e eu… quero dizer, amartaeeu.blogspot.com, nada de trocadilhos fáceis…

Estou a falar demais, desculpe. Mas uma vez não são vezes……

Se não for atrevimento que um anónimo desprovido de blog lhe ofereça flores em homenagem e resposta ao seu desafio… Aqui lhe ofereço o que me sugere esta imagem (banal?) de uma mulher que se sabe olhada, mas que não abre (ainda?) mão de seu segredo…… Espécie de poema mal-medido, digamos.

Parabéns, Marta…

Fique bem.

~~jorge

===============================

tempera, sim, mais ainda,
o frio fina têmpera do olhar
trespassa, quiça sorrindo
num anelo doce de aspirar.

suspende, anula, selene linda
os dentes do tempo a retouçar
a beleza golpeia em pedindo
só d'amor o canto a faz evolar.

abrupta, breve, ressoa infinda
gravada nos búzios de um mar
música sem voz, tarde caindo
minha paz de assim te olhar...

S. T. disse...

«Eu hei-de dormir contigo um mês inteiro , beijar-te o umbigo e os ombros no escuro , talvez chova e eu hei-de tocar-te a vulva com os dedos quando os pássaros acordarem.E logo tu hás-de voltar-te ensonada como se me pensasses longe e eu circunstancionalmente ali porque te julgavas sonhar,a tua boca,essa nunca duvidou,mas os teus olhos fechados hão-de guardar alguma admiração para depois se abrirem despertos e olharem cada gesto meu atentos,quase com estupefação,como se tu fosses um girassol alto acordado na madrugada para olhar a lua , ou um gato da rua a quem um afago faz retesar o corpo e um barulho surdo de prazer lhe irrompe escondido sob o pelo.E todas as manhãs sucederá isto,como se fosse o avesso de uma maldição,outras vezes tu procurando-me o sexo com as mãos para saberes do teu poder , a tua boca e os teus olhos perdidos todos nele de tal forma que este desejo chega aqui no perigeu de tudo,no apogeu mais comprido que a saudade alguma vez marcou.E o cuidado se fará descuido , do meu corpo farás o pão e a fome há-de morrer numa onda crescente e imensa que tomará conta de ti , praia,enseada,loucura,cio,veneno e nem saberás se gozaste,se sonhaste,se ganhaste,a alma toda cheia de riso,a boca mordendo a almofada para os vizinhos não morrerem de estares tão viva,de estarmos tão vivos e certos,no desconcerto de tudo o que não era suposto nos ter acontecido : meu unicórnio , meu barco , meu vinho ,mulher , meu poço inimaginado do prazer.»

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

À CASSANDRA
Pierre de Ronsard (1525-1585)

Vejamos, meu bem, se a tal rosa
Que de manhã abriu, formosa,
Ao sol o vestido vermelho,
Não perdeu à tarde o esplendor
As pregas de encarnada cor,
E o tom ao vosso tão parelho.

Ah! Vede como em pouco tempo,
Meu bem, veio-lhe o tombamento,
E o viço perdeu, todavia!
Como é madrasta a Natureza,
Porque tal flor perde a beleza
E não vive sequer um dia!

Assim, meu bem, eis a verdade:
Enquanto estais na flor da idade,
Nos primeiríssimos verdores,
Colhei, colhei a juventude:
Porque também a senectude
Há de ofuscar vossos fulgores.

Martinha, comento o comentário do Jorge, com a tradução minha de um poema de Pierre de Ronsard.

Tenha um lindo fim de semana!
Beijos,
Renata

PS: Jà publiquei em nosso Blog e comentei o seu post.

Marta disse...

Caro Jorge, não é atrevimento; o blog está sempre aberto aos amigos.
O blog encontrou a sua voz, a sua montanha azul e enfrenta sem medo o deserto.
Obrigada por estar aí, pelas visitas e pelas palavras de apreço.
Não é habitual eu responder aos comentários, mas como não tem blog, retribuo aqui.
Um grande abraço
Marta

avlisjota disse...

Olá Marta parabéns pla página e também pla iniciativa. Alusivo á imagem que é sem dúvida muito sugestiva escrevi um pequeno poema, espero que gostes!

Beijos José


Dispo-me

Dispo-me…
no segredo nu
das tuas vestes irresistíveis
no olhar concavo,
do imaculado desfruto.

Navego-te, oceano
turbulento de águas febris,
franqueio o veludo tépido dos poros
a estalar como átomos inebriantes
na voluptuosidade do anelo.
Cópulas intensas evocam lençóis brancos
como sementes, coadas nos corpos
num ledo e fogoso pórtico semiaberto
ás combustões macias dos tecidos
do sinuoso e profundo lago imaginário.

Danças em mim, despojos d´alma,
visto-te com a minha pele, toco-te…
submergem da languidez adormecida
do teu corpo espasmos, orgasmos,
renovados no respiro ofegante da
da ressoada e porosa fonte!...


José M. Silva

Sofá Amarelo disse...

"Serenidade! Cumplicidade! A verdadeira cumplicidade sabe esperar, sabe olhar serenamente, sabe imaginar... a verdadeira cumplicidade sabe ouvir, sabe abraçar, sabe ler nos espaços onde não há letras nem palavras... a verdadeira cumplicidade começa na intuição, na magia de falar sem articular palavras... a verdadeira cumplicidade é saber esperar pelo tempo que o tempo desfaz em imagens serenas a preto e branco, porque a verdadeira cumplicidade só pode ter duas cores... duas cores que se fundem uma na outra... e essas cores só podem ser mesmo o preto e o branco, que mais poderiam ser...?"

Olá, eu sei, se o concurso já fechou mas a título de cumplicidade ao teu desafio aqui fica o meu texto, se bem que já fora de concurso.

Muitos beijinhos! Bom desafio!! Bom Domingo!!!

Carlos Albuquerque disse...

Visitando um blog amigo cheguei, agora, ao seu. Gostei do que li. Fascinou-me a poesia encontrada, soltando amarras, libertando sentimentos, propondo o pensamento como só a magia poética é capaz.
Estou fora do prazo para responder ao desafio, eu sei, mas permita que deixe:
Vou entrar-te pelo cabelo solto
Cruzar-te a fronte
Descer pelo teu rosto
Procurar-te os olhos
Para te ver
E neles mergulhar
Deles sair
Para te dizer
Boca a boca
Levanta-te
Dá-me a mão
Anda, vem comigo
Vamos os dois conhecer o mundo
--
PS - Vou colocar um link no meu blog, quero aqui vir mais vezes. Não me junto a seus seguidores por não onde o fazer, mas segui-la-ei pelo link.
Bjs