sábado, 9 de janeiro de 2016

SOZINHA



Hoje...

A chuva escreve-se violentamente nos vidros... 

Até o Vento hesita em se manifestar...

Não sei se a chuva se sente sozinha... 

Sei que eu me sinto nesses dias em que a chuva me expulsa a luminosidade do dia...

Será que a chuva sabe que, apesar de tudo, a luz está lá? Mesmo que trema de frio...

Demorei muito tempo a descobrir essa luz, a libertar-me nas memórias...

E hoje...  Hoje, digo à chuva que não está sozinha...

3 comentários:

Graça Pires disse...

Muito belo, Marta. Gosto destas reflexões da tua "Página".
Um beijo.

heretico disse...

beijo

muito bonito teu texto poético..

Sofá Amarelo disse...

Às vezes são as gotas de chuva que nos fazem sentir sozinhos porque não conseguimos agarrar toda a luminosidade que a chuva transporta nas memórias...