segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

OBSESSÃO - PARTE I



Sou obcecada pela perfeição.
Quero ter um corpo perfeito e para isso faço dietas rigorosas e agressivas.
Castigo o meu corpo com longas horas de ginásio. Ignoro qualquer sinal de cansaço, de dor, porque tudo o que importa é saber que os outros me acham perfeita.
Sou ambiciosa, exigente no trabalho e não descanso enquanto não atinjo os meus objectivos. Sou temida e respeitada, há mesmo quem me inveje.
Mas eu continuo a avançar, sem olhar para dentro de mim, sem tempo para os outros.
Afastei-me do meu marido, mal falo à minha Mãe e as minhas irmãs para mim são estranhas. Estão presas a uma vida cheia de rotinas, preocupadas com os maridos e os filhos, desleixando o corpo.
Mas eu sou perfeita... Até ao dia em que o médico se mostrou preocupado com um mero exame de rotina.


TEMA PROPOSTO PELA EDITORA LUA DE MARFIM "OBSESSÕES"
Esta é a minha resposta (os dois primeiros parágrafos). Espero que gostem...

2 comentários:

Daniel Costa disse...

Marta, executado em prosa, o texto ficcionado, está muito convincente gostoso, de certo modo, até o posso de chamar prosa poética.
Reportando-me, o meu poema homenageia Peniche sim, por ser uma memória do concelho onde nasci e vivi até 20 anos.
Desejo Feliz Ano de 2016.

Sofá Amarelo disse...

Todas as obsessões são negativas, mesmos as "boas" obsessões. Só a palavra já indicia que algo não está correcto, pois a pessoa deve ser equilibrada, nunca obsessiva, senão acaba por nem viver... acaba por se limitar às regras das limitações da vida...