terça-feira, 12 de janeiro de 2016

SEM REINO





Sou um Rei sem Reino... 
Estou exilado na minha própria mente... Não tenho palavras de alento para oferecer ao meu povo, que se arrasta pelo tempo, sem esperança.
Sei que há contos e ditos sobre o que arruinou o Reino, mas tento encobrir a verdade, pois é dolorosa demais para a reviver.
Talvez devesse dizer o que sinto verdadeiramente, confessar o meu desalento, a minha frustração. Mas sou Rei e tenho que ser forte. Não posso revelar as minhas fraquezas como um simples mortal.
Ou posso, se amei profundamente alguém que me completava? Se tudo correu mal quando ela me deixou só? Sinto que morri com ela; perdi o interesse na vida quando acordei só...

Estou a divagar nas memórias de outrora... É tudo o que resta, é tudo o que tenho. Sou um velho insuportável e todos se esquecem de mim. Até o meu filho que preferiu partir à procura de glória do que ficar preso nesta tristeza.


Nota:
Uma história em que estou a trabalhar.
Aceito sugestões - se devo continuar, falar no que aconteceu, etc....

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Os Reis também são humanos, também podem viver de memórias e de tristezas... mas se assim for é muito provável que contagie negativamente os seus súbditos e que o Reino se torne triste e cinzento... um Rei deveria ser sempre alegre e bem-disposto, mas depois há o lado... humano!