quarta-feira, 1 de outubro de 2014

VIAGEM

Viajo algures.
Por entre as cores do arco-íris quando tocam as ondas do mar. Ou desafiam a brisa.
Ou quando me provocam e abrem as portas ao infinito. Sem que haja um dia marcado para voltar. Porque não quero voltar; quero libertar-me do hoje...
Viajo em sonhos.
Invento Mundos; desenho-os em cores exóticas. Nas minhas cores exóticas e loucas, porque falam de luminosidade, de alma. Essa alma que sonha em mim e me dita as palavras.
Viajo em mim.
Sem limites. Sem dor. Apenas com o olhar. Ou o riso que se revela franco, cristalino como nunca o ouvi. E porque tanto anseio...
Viajo, simplesmente viajo.
Não para outro País, outro Continente. Descubro-me; penso-me sem nós que me atem, controlem.
Porque o Mundo assim escreve e eu obedeço. Sem que seja feliz...
Viajo, livre.
Posso estender a mão e apreciar a brisa, sem que me achem louca. E se for, gozo esse momento de loucura por completo...
Continuo a viajar
Mesmo quando a viagem física acaba. Viajo sem rumo, exploro o prazer de momentos perfeitos.
De páginas em branco... Que preencho devagar... A qualquer hora, com a palavra mais simples...
Poderia descrever a minha viagem à Irlanda.... Falar sobre a razão de lhe chamarem a “Ilha Esmeralda”, sobre a simpatia do povo.
Mas não diria nada de novo... Seria apenas uma descrição e viajar é muito mais do que isso.
É o que fica guardado na memória, é o impacto, é aquele sorriso que não se repetirá...
O sorriso com que escrevo agora... Porque me lembro de como fui feliz naquela semana, com aquelas pessoas, naquele País verde e molhado.
Mas é apenas um capítulo num história que ainda não tem fim.
Porque ainda estou aqui e a próxima viagem será sempre a mais importante, o fim de tudo...
Mas se acreditar que é o fim, não estarei a assinar uma sentença de morte?
Por isso vou continuar a viajar no labirinto da minha Mente.


RESPOSTA AO DESAFIO/TEMA PROPOSTO PELA EDITORA PASTELARIA STUDIOS E PUBLICADO NA COLECTÂNEA “AQUELA VIAGEM”

1 comentário:

Graça Pires disse...

Marta, gostei muito desta prosa poética.Lindíssimo o texto.