quinta-feira, 1 de março de 2012

SEM TEMPO

Não posso explicar a manhã,
mas posso divagar sobre a noite.
A noite sem tempo,
apaixonada e provocadora
na memória das tuas palavras.
Ou na carícia das minhas,
num sussurro de pele.
Falo sobre o tempo,
numa noite que não tem tempo.
 

Foto de Autor Desconhecido

5 comentários:

AC disse...

Palavras a deslizar na pele e a activar todos os sentidos...
Muito envolvente, Marta!

Beijo :)

Secreta disse...

Falar sobre o tempo que se perde no tempo, de nós.
Beijito.

© Piedade Araújo Sol disse...

palavras na noite sem tempo...no destempo de nós.

bom fim de semana

beij

Sofá Amarelo disse...

A manhã só tem explicação se vier na sequência de uma noite onde o tempo não seja mais que as memórias das palavras, divagadas num sussurro de pele onde o tempo não tem noite nem manhã!

Nilson Barcelli disse...

Nada melhor que uma noite sem tempo para marcar as horas.
Seja ela para o amor ou para dormir...
Magnífico poema, gostei imenso.
Marta, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.