quarta-feira, 21 de setembro de 2011

TIMIDA

Tudo o que resta do dia? Pensei em ti...
Deslizei as mãos pelo meu corpo
como se fossem as tuas....
Fechei os olhos,
com o teu cheiro a envolver-me...
Nas vozes dos outros,
só ouvi o timbre da tua....
O dia foi tão longo, amor...
Amaldiçoei todos os minutos
em que não te vi...
E, agora,
não sei porquê,
sinto-me tímida....



Foto de Marina An


8 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Sente-se o timbre das mãos que deslizam pelo cheiro que envolve as vozes... os dias são longos, amaldiçoam-se os minutos e as horas dos dias que restam nos corpos onde se sente o timbre... das mãos!

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

Anita de Castro disse...

As mais lindas coisas da vida, não podem ser vistas nem tocadas, mas sim, sentidas pelo coração

Beijinhos fico grata pela visita ..olhai lirios do campo

♫ ♪ Wilson Miguel ♫ ♪ disse...

Querida Marta,

Há dias em que basta fechar os olhos para que saudade venha impiedosa e se torne um passaporte aos devaneios.
Gosto muito de teus versos sempre repletos de sensibilidade...

Um beijo de luz no seu coração

Deus seja contigo

Secreta disse...

A timidez que mostra toda a essencia dos sentires.
Beijito.

Carmem L Vilanova disse...

Absolutamente perfeito, querida amiga! E totalmente envolvente!
Beijos, flores e muitos sorrisos!

Paixão Lima disse...

O toque tímido das mãos que beijam suavemente o corpo desejado...
Não sei se o sonho é a vida ou se a vida é um sonho...
E que importa saber?!
Linda a poesia tímida.

Nilson Barcelli disse...

A timidez não é boa companhia dos poemas nem do amor...
Magnífico, gostei imensp deste teu poema.
Beijos, querida amiga.