domingo, 12 de junho de 2011

PONTOS E VIRGULAS

Hoje,
não respeito as regras do verbo.
Nem sequer a sequência lógica
das palavras na frase…
E os pontos e as virgulas?
Esqueci....


Mas as palavras,
cansadas e sofridas,
cercam-me...
Imploram-me que as escute...
Escrevo o que lhes vai na alma...
Sem pontos e virgulas...
 
 
Foto do álbum de João Mateus "Silk on my soul" (via Facebook)

7 comentários:

Paixão Lima disse...

O seu poema rebelde, sem verbo, sem lógica, sem pontos e vírgulas, merece o meu aplauso entusiástico. Nada de regras nem tratados que isso é para os patetas do método científico. O único verbo que se deve valorizar é o verbo amar em todos os tempos. E as palavras, mesmo que cansadas e sofridas, se traduzirem um sentimento de amor e de paixão. Tudo o resto é supérfluo e sem valor que merece o caixote do lixo. Comento com um sorriso aberto. Como é bom sorrir...

Sofá Amarelo disse...

Os pontos e as vírgulas não deviam existir, as palavras deviam fluir sem respeitar regras nem sequências, apenas deveriam dizer o que vai nas almas... sem pontos e sem vírgulas!

Anita de Castro disse...

Viver em tal liberdade ,tão intensamente em todos os momentos ,sem pontos e vírgulas

AC disse...

Saudades de aqui vir, Marta, onde as palavras desenham acordes com sentido!

Beijo :)

Secreta disse...

A alma não reconhece pontos ou virgulas.
Beijito.

Liene disse...

Oi Marta!
Você sabe o quanto gosto de teus versos e o quanto me identifico com eles. A linguagem da alma é livre e não há cercanias capazes de podar-lhe o vôo...

Encantada, sempre!

Beijo carinhoso e que sua semana seja de muita paz!

Luz e graças!

Lost Soul disse...

os pontos e as vírgulas só servem para atrapalhar a vida!

-___-