quarta-feira, 6 de maio de 2009

INDESEJÁVEL






Hoje
Sinto-me indesejável
Esquecida no frio da manhã
Por instinto
Fecho o meu corpo numa concha


Estanque, impermeável ao tempo
Às memórias
Aos sons
Que a brisa insiste em trazer.....

Está frio
Uma manhã de Primavera
Um poema encantador
Que posso escrever
Mas sinto-me indesejável...




(Foto "No Principio do Mundo" Paulo A., Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

9 comentários:

Laila Braga disse...

Triste... forte... mas bonito =]

ematejoca disse...

Fecha o teu corpo numa concha, mas nunca o teu espírito.
Sensível e belo poema. A imagem é fascinante. Tudo aqui é perfeito.

***********************************

Marta, tenta ir buscar o teu prémio aqui:

http://camaraazul.blogspot.com/

Elcio disse...

Se há dor, o poeta transforma-a em beleza.
Qdo n há dor, entao o poeta finge senti-la, como ja dizia Fernando Pessoa.

É isso aí.

http://www.instantes.blogger.com.br/
Este é o endereço q vale ok?

Amita disse...

Há momentos que nem o refúgio da concha nos protegem. Não somos só matéria e tudo o mais nos voa...
Nesses momentos há que parar e ver o bom e o belo que sempre em nós e à nossa volta flutua... e caminhar no sorriso da poesia.
Um poema muito sentido e a palavra "indesejável" tem de desaparecer do dicionário de ti, Martinha.
Um bjinho e uma flor para alegrar o teu dia

Patrícia disse...

Sempre que leio algum poema, sinto, ou pelo menos tenho essa percepção, que consigo captar a mensagem. A mente de alguém que cria algo, algo que realmente sente, para mim é sempre uma obra. Há dias em que fazemos tanta coisa, que para os outros parece perfeita mas para nós nunca atinge o grau de satisfação. Mas isso passa.

Beijinhos Marta=)
Patrícia

Cöllyßry disse...

Às vezes os instintos físicos nos fazem perdem os da Ala...

Beijitos

Laila Braga disse...

não sei se amor... mas percepção eh uma coisa legal...

Sofá Amarelo disse...

Nem sempre nos sentimos au point connosco próprios... mas talvez só assim saibamos aproveitar bem os outros momentos... aqueles momentos em que estamos engalanados com a Vida...

Nuno de Sousa disse...

Então nada como te aqueceres :-), mais um texto fantástico por aqui,
Bjs em ti,
Nuno