quarta-feira, 27 de maio de 2009

ERÓTICO







Tranquilo
Delicado o dia
Em que, errando pela minha pele
Como um vagabundo

Descreves-me
No meu próprio poema erótico

Falo-te em surdina
Dos meus sonhos ditos impossíveis
Em palavras que desaguam

Em ti
Em poemas que queria que fossem
Eróticos
Mas, são apenas meus….







(Foto "SWALLOW" Graça Loureiro, Olhares)

(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

9 comentários:

veldrane_sucubus disse...

erotismo e poesia... duas coisas q sempre andam (ou deveriam) juntas...

Patrícia disse...

Gostei. Como sempre, aliás.

Beijinhos Marta=)
patrícia

alice disse...

um erotismo tanto verbal como corporal. gostei de ler, marta. um grande beijinho.

Carmem L Vilanova disse...

Linda amiga...
Chego atrasada em um dia para desejar-te muitas felicidades pelo teu aniversario. Uma data linda pelo simples fato de ser tao importante para ti e para os que te querem tanto!
A distancia nao é impedimento para que sinta uma amizade tao linda e sincera por ti e é esta amizade que me faz sentir tao proxima a ti nos teus dias especiais!
Muitos beijos de muitas Felicidades para sempre!!!
Tua amiga,

Carmem

Carla disse...

e sendo teus são de um sentir tão pleno que apetece fazer parte desse mesmo poema
beijos

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Deu mais um passo: do sensual para o quase-erótico. Você não ousou totalmente, a não ser na imagem.
Vi um comentários dando-lhe os parabéns pelo seu aniversário. Receba os meus também, querida.
Marta:
Postei no GALERIA sobre uma comédia com final surpreendente. Você também se surpreenderá com o tamanho do post, bem menor do que os anteriores, e só com algo mais a ler: um poema meu.
Conto com você.
Um abraço,
Renata

Fragmentos Betty Martins disse...

.________querida Marta




_______________uma relação perfeita


.a



tua beleza sempre_________________










beijO______terno
bDomingo

Nuno de Sousa disse...

Está magnifico e cheio de erotismo e mais não digo :-)
Bjs

Sofá Amarelo disse...

Os sonhos impossíveis um dia talvez se tornem possíveis e as palavras poderão então desaguar nos poemas escritos em surdina...