quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

GOTAS DE CHUVA E NATAL



Refugiei-me aqui….


Tenho medo dos trovões e dos relâmpagos….


A noite de tempestade…



infinita….





Fiquei aqui, quieta…


Neste pinheiro ainda frágil….


Frágil como eu…





Uma simples gota de chuva…


Agora que o Sol acordou…


Reflicto as cores do arco-íris…





Até quando ficarei aqui…não sei….


Mas vou ter pena de partir…


Pois apaixonei-me por este lugar



(Foto de Fernando Santos (Chana))

(Textos protegidos pela IGAC)

(Palavra chave do post: Chuva)

7 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta...Excelente texto...muito grato por o teres ilustrado com uma fotografia minha...
Votos de BOAS FESTAS...
Beijos

Sol da meia noite disse...

Natal... refúgio do ser humano. Mesmo que fragilizado, ainda é um refúgio.

Fraterno abraço

Sofá Amarelo disse...

Sim, quem não se apaixona por um lugar destes em que o verde e o aroma imperam... também quero lá estar e não mais sair de lá...

Miguel Barroso disse...

Não partas.

Boas Festas.

Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Lindo poema telúrico, Marta. Você me convidou para o chá, eis-me aqui.
Querida:
Postei nos meus 4 blogs, inclusive no Galeria. Vá dar-me uma força.
Beijos,
Renata

utopia das palavras disse...

Uma simples gota de chuva pode fazer brilhar o intenso azul do céu.

Passei por aqui e fiquei quieta... ouvindo as tuas palavras.
Adorei!!!

Desejo de um FELIZ ANO NOVO
Beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Marta:
Fiz uma ceia de ano novo no Tristão. Se você não for, vou ficar muito chateada.
Um beijo,
Renata