quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

DISPARATE






Disparate será…

Ignorar-te….


O que me fazes sentir….
O que te faço sentir…

Os sentidos em alerta….

Prazer…
Paixão
….

No corpo que se eleva numa pirueta…

No cheiro que se memoriza…

Se liberta nos sonhos…

Se intensifica ao toque….

E em que nos abandonamos……




(Foto "Freedom" J Pedro Martins, Olhares.Com)
(Textos protegidos pelo IGAC)

(Palavra chave do post: toque)

7 comentários:

Carla disse...

o toque proporciona todos esses sentires
beijos

pin gente disse...

ao toque... entrego-me

Pekenina disse...

O disparete que seria desprezar tudo isso :))

Beijinho

Sol da meia noite disse...

Como ignorar o que se sente, o que se faz sentir...?

Beijinho *
:-)

Sofá Amarelo disse...

Tudo o que fazemos pode ser disparate, por isso quantos de nós passam a vida a fazer «disparates»! Mas ainda bem porque a vida sem esses «disparates» não tinha piada nenhuma!

Beijinhos do Sofá Amarelo!!!

Nilson Barcelli disse...

É mais um magnífico poema, escrito com a alma.
Gostei imenso cara amiga.
Bom Natal, beijinhos.

Helena Paixão disse...

Hum..... mas é tão bom fazer disparates ;)

Lindo poema que toca os sentidos.

Bjs e bom fds