segunda-feira, 2 de abril de 2007

INEXPLICÁVEL

Retenho a respiração por mais alguns segundos.......

Expiro quando os primeiros acordes do "Bolero de Ravel" cortam o silêncio.......

Enrolam-se como hera,
tornam-se densos, fortes,
fragmentam-se..
mil sonhos,
mil pedaços,
mil destinos cheios de sensualidade....

Chovem sobre mim....
Brincam com os meus olhos....
Fazem estranhas piruetas, caretas e poses............

No silêncio inexplicável em que hoje me escondi.............

9 comentários:

Reflexos da Alma disse...

Nos Silêncio , que por vezes é inexplicável , também nos escondemos inumeras vezes Marta.
Julgo que nos escondemos só para nos Encontrarmos e podermos assim aparecer com a nossa Verdadeira Essência ....
Gostei como sempre do teu Poema que está Lindo !
Um Beijo de Alma

.:mÁrCiO:. disse...

Acho que "Reflexos da Alma" conseguir explicar bem... realmente o silência é o refugio para nos encontrarmo-nos de novo em nós!
Simples, mas fantástico! Parabéns!

PEDRO disse...

Apaixonante Marta!

Somos vida inspirada em espirais de configurações.
O custo de viver certos momentos é inexplicável de nossas vida,
Sintetizando, um silêncio, dois sorrisos largos!
Beijos.
Pedro

Farinho disse...

Ainda bem que na penumbra do teu silêncio encontrás-te a magia...
Porque eu no meu...


Beijocas

Alexandre disse...

O Bolero de Ravel é forte demais - provoca sensações difíceis de explicar... tem uma força que nos permite fazer coisas que julgávamos impensáveis... comigo passa-se isso tb!

Beijinhos!!!

un dress disse...

o bolero de hera...perfeita definição. perfeita fusão.

deixei-te uma estrelita algures marta!:)

abraçO*

C_BRITTO disse...

Amam-se ao ritmo de um bolero de Ravel no mundo de sonhos e silêncios.
Enquanto isso, a lua aparecia como num sonho.
Beijinho Marta!

aqui-há-gato disse...

Vim roubar o teu silêncio, e dizer fantástico!
Muito bonito o bolero e as palavras...



Miau do Gato

Lia disse...

Às vezes o silêncio é necessário para nos conhecermos, mas não permaneças aí muito tempo e quebra-o, nem que com os acordes do Bolero de Ravel...

Beijinhos