domingo, 22 de abril de 2007

ABERTO A MEMÓRIAS


Fico sem inspiração……………

Deixas-me assim…………

Ofegante, com o cabelo em desalinho…………….

Extremamente feliz………………….

Aos anos…que às estátuas não brincava…………….

Tentar ficar séria enquanto me fazes cócegas por baixo do queixo………….

Vontade louca de me rir, mas quero resistir ao máximo

À tentação……….

De dizer “stop” e ser a tua vez de fazeres de estátua….

Nesta tarde de Primavera….

Na brisa.......
transportando um ligeiro cheiro a maresia….

Num jardim aberto a memórias que contigo quero partilhar……….
P.S.: Foto tirada por mim - Jardim da Cordoaria no Porto

6 comentários:

Alexandre disse...

O teu post/poema fez-me lembrar os tempos da infância e da juventude quando as brincadeiras eram reais e despreocupadas, quando o tempo não era tempo, quando o espaço era tudo o que estava à nossa volta!!!

Saudades do passado... e do futuro...

Beijinhos!!!

Thunder disse...

ÀS vezes ainda jogo com os meus alunos às estátuas.Assim conseguem ficar quietos, nem que seja por segundos!Lol.

Reflexos da Alma disse...

Olá. quantos jogos à "estatua" fazemos na infancia ? muitos certamente... Gostei destes teus dizeres em forma de poema, gostei de me lembrar do Jardim da Cordoaria , por onde passei inúmeras vezes e gostei da foto é claro.
Beijokas

Rosa Maria disse...

É tão bom qd temos alguém com quem gostamos de partilhar memórias...!
Para ti, fica um beijo

A vida da pipoka disse...

opah fogo ta lindo o teu post..
fizeste-me pensar!
=)
um beijo e obgr pelo meu link ;)
pipoca
as minhas palavras

un dress disse...

ainda nos havemos de encontrar por aí...