sexta-feira, 25 de agosto de 2017

O CABARET - O FINAL


Jacinto abre a boca para o chamar, mas o Tadeu apressa o passo e não o ouve. 

Ou finge que não ouve, pensa o jardineiro atravessando a rua, sem se preocupar com o transito.

Chega ao fim da rua e pensa que o perdeu, mas ouve uma risada conhecida e olha em volta.

Vê-os então abraçados.  Esmeralda - valha-me Deus, o que é que fez ao cabelo? E o que tem vestido? - e Tadeu aos beijos em plena rua.

Jacinto fica cego e desata a correr em direcção aos amantes felizes.

Dá-lhes um encontrão e a Esmeralda caí. Tadeu consegue manter-se em pé e pergunta-lhe:

" Oh, pá, o que se passa contigo? " Mas Jacinto responde-lhe com um murro no nariz.

Esmeralda já está de pé e grita-lhe: " Ordinário! Imbecil!" e levanta a mão.

Jacinto prende-a na sua, aproxima o rosto do dela e diz-lhe: " Ordinária és tu!!! Fadista uma ova!" e dá-lhe uma bofetada de tal maneira forte que Esmeralda volta a cair.

Alguém grita, Tadeu levanta-se com esforço e Jacinto foge.  Não porque tenha medo da polícia, mas porque quer distância daqueles dois.

" Ordinários os dois"  pensa " Nunca mais vou acreditar numa mulher!" jura já no comboio a caminho de Lamego.

No Cabaret, Joaquim e Letícia discutem os últimos detalhes com Luis Abençoado para abrirem a loja gourmet.

" Quando o Tadeu regressar, demitimo-nos!" decidem, felizes e o Luis Abençoado pede outro brandy para brindar.

Mas o Tadeu não regressa nem a Esmeralda. 

Ficam em Lisboa, Esmeralda a cantar em restaurantes de bairro, convencida de que será uma fadista famosa e o Tadeu abriu um pequeno bar.

Quanto ao Jacinto, decide ficar em Lamego e acaba por aceitar trabalhar em exclusivo nos jardins do bispo.

Nem o Joaquim Tacanho nem a Letícia Violeta o voltam a ver. 

O Luis Abençoado ainda o visita em Lamego, mas, se bem que o goste de ver, o Jacinto não lhe explica o porquê da decisão.


FIM



Estarei ausente entre 25 e 29 de Agosto. 

Até lá, boas férias.

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Um desfecho que pode não chegar a ser desfecho mas apenas o ponto de partida para mais umas tropelias, já que aqui se trata e retrata personagens vibrantemente pitorescas que dão um colorido à narração, tornando cada frase, cada movimento uma cena visualizada por quem lê... muito bom, histórias de vida que são histórias devidas a quem sabe escrever e tem imaginação...